Iconoclássicos no Inimá de Paula

Diretores de destaque apresentam vídeos sobre artistas brasileiros contemporâneos

 

A contemplação da arte por meio da própria. Essa é a proposta do projeto Iconoclássicos, iniciativa do Itaú Cultural realizada no Museu Inimá de Paula nos dias 23 e 24 de novembro. Serão exibidos 5 filmes sobre os artistas contemporâneos Itamar Assumpção, Nelson Leirner, José Celso Martinez Corrêa, Paulo Leminski e Rogério Sganzerla, retratados, respectivamente, por Rogério Velloso, Carla Gallo, Tadeu Jungle e Elaine Cesar, Cao Guimarães e Joel Pizzini.

O intuito destas obras audiovisuais  é criar um documento, repleto de informações e referenciais sobre os artistas, analisando e reinterpretando suas obras. Cada um dos filmes está sendo produzido por um diretor de destaque no contexto cinematográfico brasileiro, imprimindo sua marca autoral.

No dia 23, serão exibidos os filmes “Assim é, se lhe parece”, às 10h30, “Daquele instante em diante”, às 14h, e “Mr. Sganzerla – Os Signos da Luz”, às 16h30. No dia seguinte a programação inicia às 14h com “Ex isto “. Mais tarde, às 16h é a vez de “Evoé – Retrato de um antropófago”. Cada sessão tem lotação de 130 pessoas, que devem retirar até dois ingressos no dia anterior.

Assim É, Se Lhe Parece 23/11 – 10h30

Direção: Carla Gallo, São Paulo, 75 min, 2011 14 anos

Terceiro filme da série Iconoclássicos, Assim É, Se Lhe Parece, com direção de Carla Gallo, é um retrato de Nelson Leirner “sem a pretensão de alcançar a verdade e é avesso ao enaltecimento do artista”, observa a diretora. Nesse documentário em particular, o público se vê às voltas com a arte irreverente, crítica e provocativa de Leirner, traduzida na sua forma de pensar arte e de viver a vida.

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=M0bO6VtIzHQ&feature=plcp

Daquele Instante em Diante 23/11 – 14h

Direção: Rogério Velloso, São Paulo, 110 min, 2011 14 anos

Itamar Assumpção foi fonte de inspiração para Rogério Velloso na direção de Daquele Instante em Diante, que abriu a série de exibições de Iconoclássicos. Para realizar o filme, Rogério Velloso garimpou imagens raras em acervos e arquivos particulares. Durante dois anos mergulhou em um processo intenso de entrevistas e seleção de trechos em mais de 180 horas de gravações.

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=BW29DJlXuHw&feature=plcp

Mr. Sganzerla – Os Signos da Luz 23/11 – 16h30 

Direção: Joel Pizzini, Rio de Janeiro, 90 min, 2011 14 anos

Mr. Sganzerla – Os Signos da Luz é o quinto filme produzido e encerra a série Iconoclássicos. O filme apresenta o universo do cineasta Rogério Sganzerla pela lente de Joel Pizzini. Para falar de Sganzerla, Pizzini utilizou o universo desse que é um dos principais cineastas brasileiros, morto em 2004. Trata-se de um filme-ensaio que recria o ideário por meio dos signos mais recorrentes de sua filmografia, como Orson Welles, Noel Rosa, Jimi Hendrix e Oswald de Andrade.

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=RM6AD6jOmUY&feature=plcp

Direção: Cao Guimarães, Minas Gerais, 86 min, 2010 14 anos

Com direção de Cao Guimarães e João Miguel como protagonista, Ex isto é o segundo filme da série Iconoclássicos e se baseia no romance Catatau do poeta Paulo Leminski. Convidado pelo Itaú Cultural a realizar um filme que dialogasse com a obra do poeta que marcou toda a sua geração e as que vieram atrás, Cao Guimarães escolheu inspirar-se livremente no romance Catatau, escrito em 1975, umas das obras mais emblemáticas de Leminski na qual o autor se deixa levar por uma hipótese histórica: “E se René Descartes tivesse vindo ao Brasil com Maurício de Nassau?”.

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=rxl9SkNIKmY&feature=plcp

EVOÉ! – Retrato de um Antropófago 24/11 – 16h

Direção: Tadeu Jungle e Elaine Cesar, São Paulo, 104 min, 2011 14 anos

Quarto filme da série produzida pelo Itaú Cultural, EVOÉ! – Retrato de um Antropófago revela o fundador do Teatro Oficina em toda sua potência criativa.O diretor Tadeu Jungle mistura de forma labiríntica depoimentos recentes e imagens históricas da carreira do diretor, ator e dramaturgo Zé Celso. Personagem único, ele guia o documentário como narrador principal. Entre os arquivos utilizados no documentário estão programas jornalísticos, vídeos pessoais do artista e registros dos espetáculos e bastidores do Teatro Oficina, fundado em 1958.

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=lPpod5kHGa4&feature=plcp