DIA MUNDIAL DE COMBATE AO FUMO: CONHEÇA OS PREJUÍZOS DO TABACO PARA A SAÚDE DA PELE

Com mais de 4700 substâncias tóxicas, o cigarro é a causa de muitas doenças dermatológicas, como o câncer e o envelhecimento precoce

Na próxima quinta-feira (31), comemora-se o Dia Mundial de Combate ao Fumo. Embora nos últimos 25 anos, o número de fumantes tenha diminuído no Brasil – de 29% para 12% entre os homens e de 19% para 8% entre as mulheres – os números ainda são alarmantes. Estudo realizado com o apoio do Instituto Nacional de Câncer (Inca), em 2017, aponta que 428 pessoas morrem por dia por causa do tabagismo, o que corresponde a 12,6% de todas as mortes que ocorrem anualmente no país.

Foto: @HeliakimJr | @Qu4artoStudio

Entre os principais malefícios do fumo, estão as doenças cardiorrespiratórias e cerebrovasculares, além, claro, dos cânceres. Só no ano passado, 73.500 pessoas foram diagnosticadas com algum tipo de câncer decorrente do cigarro. Embora menos comum que o câncer de pulmão, por exemplo, o câncer de pele também pode ter sua causa no tabagismo, tendo em vista as inúmeras alterações celulares que ele provoca. Isso sem falar nos inúmeros outros males provocados pelo tabaco no maior órgão do corpo humano.

O cigarro é considerado hoje o principal fator de envelhecimento da pele, especialmente nas mulheres. “A nicotina reduz a circulação sanguínea e o aporte de oxigênio, o que leva à deterioração precoce das fibras colágenas e, consequentemente, gera o envelhecimento acelerado da cútis”, explica o dermatologista Paulo Roberto Antônio Júnior.

Além de propiciar o aparecimento das rugas, principalmente na região da boca e dos olhos, o fumo também contribui para olheiras mais evidentes, deixa mãos, unhas e dentes amarelados, piora a celulite, resseca a pele e afeta o brilho dos cabelos, já que os nutrientes não conseguem chegar na mesma proporção ao couro cabeludo. “Os efeitos são mais ou menos acentuados, dependendo da quantidade de cigarros consumidos ao dia. Hoje, há vários tratamentos alopáticos ou alternativos para ajudar a parar de fumar. Os danos dermatológicos podem ser reversíveis, mas é preciso abandonar o hábito o quanto antes”, enfatiza o médico.

Entre os tratamentos para melhorar a qualidade da pele de quem fuma, ele indica o uso de cremes à base de ácido retinoico, hialurônico e antioxidantes, como a vitamina C. Além deles, a toxina botulínica e os preenchimentos faciais são opções para atenuar as linhas de expressão. Já a luz pulsada é recomendada para reduzir manchas. “Vale lembrar que todos esses procedimentos devem ser feitos com acompanhamento médico”, conclui o especialista.