Museu Inimá de Paula discute os Quilombos Urbanos na Semana dos Museus

monge-mc por Família de Rua

Entre os dias 18 e 24 de maio, o Museu Inimá de Paula, como parte da Semana dos Museus, promove atividades com a temática “Quilombos Urbanos”. Eles são as reconfigurações da ocupação urbana praticadas por movimentos sociais. A programação gratuita conta com um debate e exibição de dois filmes.

Integrantes do Bloco Afro Angola Janga e o Monge MC, do coletivo Família de Rua, participam de mesa redonda no dia 18 de maio sobre as formas de apropriação do espaço e a arte como instrumento de resistência. Em um primeiro momento, eles irão compartilhar suas trajetórias para depois abrir a conversa para o público presente.

No dia seguinte, será exibido o documentário Vozes da Resistência: os quilombos urbanos de Belo Horizonte, com direção geral de Zuleide Filgueiras, e argumento e direção de conteúdo do defensor Estêvão Ferreira Couto. A obra tem como tema a questão da regularização fundiária do território de três comunidades quilombolas da capital mineira: Luízes, Mangueiras e Manzo Ngunzo Kaiango.

Por meio das reivindicações dos personagens, o documentário denuncia as injustiças históricas, a invisibilidade social, o racismo sofrido, as expressivas perdas territoriais, a falta de acesso aos bens públicos, a violação de direitos humanos, a interferência da cidade na identidade cultural dos grupos e os anseios para o futuro.

Para encerrar a programação, no dia 24 de maio, a antropóloga Clarice Libânio participará de uma sessão comentada do documentário Favela é Isso Aí: seleção do festival “Imagens da Cultura Popular”. A ONG criada pela pesquisadora tem o intuito de contribuir para a redução da discriminação em relação aos moradores de vilas e favelas, promover geração de renda para as artistas, ajudar a prevenir e minimizar a violência, melhorar as condições do fazer artístico e acesso ao mercado cultural.

Programação:

18-05 / Mesa Redonda / 19h30 às 21h
Ocupação da cidade e formas de resistência por meio de eventos culturais – com integrantes do Bloco Afro Angola Janga e Monge MC do coletivo Família de Rua
Entrada gratuita / lotação 130 lugares

19-05 / Exbição de filme / 19h às 20h
Vozes da Resitência – Os quilombos urbanos de Belo Horizonte. Direção de Zuleide Filgueiras e Estêvão Ferreira.
Entrada gratuita

24-05 / Exibição de filme / 14h às 17
Favela é Isso Aí: seleção do festival “Imagens da Cultura Popular”. Sessão comentada com a criadora da ONG Favela é Isso Aí, Clarice Libânio.
Entrada gratuita / lotação 130 lugares

Museu Inimá de Paula
Endereço: R. da Bahia, 1201 – Centro, Belo Horizonte – MG, 30160-011
Telefone:(31) 3213-4320

Museu Inimá de Paula recebe jantar da BrazilFoundation

Evento é realizado em prol de iniciativas socioambientais da região do Rio Doce

post_brasil_foundation_rafael_cardoso_agenda

No próximo dia 3 de maio, o Museu Inimá de Paula sedia o primeiro jantar do ano da BrazilFoundation em 2016. A expectativa é de que 150 pessoas, entre formadores de opinião, jornalistas, artistas e empresários compareçam ao evento em prol de iniciativas socioambientais da região do Rio Doce, afetada pelo desastre ambiental ocorrido em Bento Rodrigues.

A noite promete muito glamour! O ator Rafael Cardoso comanda a cerimônia, enquanto o show de encerramento fica por conta da atriz e cantora mineira Mariana Rios. O jantar, contará ainda com um leilão que inclui uma escultura de Leopoldo Martins, uma experiência no Arakur Ushuaia Resort & SPA, na Patagônia, um anel de brilhantes da Valentina Jóias, uma obra de arte da Dotart, e uma viagem para St. Barths/ Miami/ NY.

O Vice-Presidente do Museu Inimá de Paula, Nestor de Oliveira, comemora a iniciativa e a escolha do prédio para a realização do encontro. “Ficamos muito felizes por fazer parte de um evento tão importante e com uma causa tão nobre”, afirma.

A decoração será assinada por Denise Magalhães, da Verde Que Te Quero Verde. O Comitê Anfitrião da BrazilFoundation conta com Adriana Esteves, Ana Paula Carneiro, Daniel Prado, Eliane Mansur, Jose Saad Duailibi, Luciana Junqueira, Nathalia Abi Akel e Rejane de Paula.

Patrocinam a noite beneficente o Goldman Sachs, REAG, Valentina Jóias e Verde Que Te Quero Verde.

Para os interessados, ainda restam convites à venda pelo link: https://brazilfoundation.org/pt-br/event/jantar-beneficente-para-minas-gerais/. Os valores variam entre US$ 200 e US$ 300.

Sobre a BrazilFoundation

Em 15 anos de atuação, a BrazilFoundation já arrecadou mais de US$ 35 milhões que foram investidos em iniciativas sociais nas áreas de Educação, Saúde, Cultura, Desenvolvimento Socioeconômico e Direitos Humanos. Os recursos levantados permitiram à BrazilFoundation identificar, financiar e monitorar mais de 440 projetos sociais em 26 estados brasileiros, beneficiando diretamente milhares de pessoas.

Serviço:

BrazilFoundation – Um Jantar para Minas Gerais

Terça-feira, 3 de Maio –  19h

Museu Inimá de Paula | Rua da Bahia, 1201 – Centro, Belo Horizonte

Traje: Esporte fino

Ingressos: www.brazilfoundation.org

Olivier Mourão expõe série Moving Figures no Museu Inimá de Paula

Olivier Mourao

Mineiro radicado em Londres, onde tem uma residência, e Ibiza, local em que mantém o seu atelier, Olivier Mourão é um bon vivant. Ele transforma toda a agitação de sua vida em inspiração para o seu trabalho. Sua última série, “Moving Figures”, que aborda a temática futebol, entra em cartaz no Museu Inimá de Paula entre os dias 17 de março e 10 de abril com entrada gratuita. Os visitantes poderão conferir cerca de 30 obras de óleo sobre tela.

A exposição, que já rodou a Europa, chega em boa hora ao Brasil, levando em consideração a proximidade dos Jogos Olímpicos de 2016. Olivier acredita que o futebol seja uma espécie de ópio do povo. “Se não existisse o futebol teríamos mais crime e guerras, ele é a salvação do mundo”, explica.

Em sua perspectiva, os jogadores podem ser comparados a gladiadores modernos. Seres escolhidos pelo povo para saciar sua necessidade de entretenimento com seus malabarismos. Entre os esportistas homenageados pelo artista plástico estão Cristiano Ronaldo e Neymar, o último pintado durante um verão em Ibiza, onde o craque deitou e rolou na badalação com a socialite Paris Hilton.

O Museu Inimá de Paula funciona terça-feira, quarta-feira, sexta-feira e sábado de 10h às 18h30. Na quinta-feira ele abre de 12h às 20h30 e domingo de 12h às 18h30. Mais informações pelo telefone (31) 3213-4320 ou pelo emailcontato@museuinimadepaula.org.br.

Trajetória

Olivier Mourão já fazia retratos elogiados pela crítica aos sete anos. O colunista Wilson Frade o apelidou de “O Menino Pintor”. Já adulto, estudou na Escola Guignard. Seus quadros passaram a ocupar as paredes personalidade como da primeira-dama Maria Thereza Goulart, mulher do ex-presidente João Goulart, e do banqueiro

Aluízio Faria, ex-dono do Banco Real e atual dono do Banco Alfa. Olivier também se dedicou a decoração de mansões, criação de cenários. Extravagante, ele era famoso pelas muitas festas excêntricas que organizou nos anos 60 e 70.

Devida a repressão da Ditadura Militar, o artista se exilou em Londres.Sua primeira exposição, organizada pelo embaixador brasileiro Celso Souza e Silva, foi repleta de celebridades, com quadros comprados pelo cantor Jimmy Page, vocalista do Led Zeppelin, e pelo consagrado marchand Martin Summers, que notou em Olivier fortes influências de Picasso e Matisse. Sua casa, uma espécie de museu subterrâneo no aristocrático bairro de Holland Park, tem sido frequentada, através dos anos, por um leque que vai do fotógrafo David Bailey a Mario Testino; do cantor Mick Jagger à modelo Kate Moss, esta sua vizinha.

Olivier também é peça chave da vida cultural da ilha de Ibiza, na Espanha. Com os DJs Danny Rampling e Nicky Holloway, ele implantou a “balearic music”, transformando o lugar numa colônia dance britânica. Ainda hoje ele organiza festas badaladas na região com a presença de personalidades como Paris Hilton, o empresário Robert Carilli e o jogador Neymar.

Serviço:

Moving Figures – Olivier Mourão

Data: 17 de março a 10 de abril

terça – quarta – sexta – sábado:

10:00 às 18:30 horas

quinta: 12:00 às 20:30 horas

domingos: 12:00 às 18:30 horas

Entrada gratuita

Cláudia Coutinho expõe a mostra “Por Um Amor Maior” no Museu Inimá de Paula

Obras exploram o expressionismo abstrato

Nuances do possível- !00x150cm Acrílica stela

A artista plástica Cláudia Coutinho reuniu 26 trabalhos produzidos em 2015 para compor a mostra “Por Um Amor Maior”, em cartaz no Inimá de Paula entre os dias 18 de novembro e 17 de janeiro com entrada gratuita. As obras em acrílica sobre tela e técnica mista seguem a vertente do expressionismo abstrato. O devir do homem moderno e a vazão do inconsciente em busca do amor são inspirações para a mostra.

Os sentimentos intrínsecos nesse processo, como alegria, tristeza, paixão, ódio e doçura, são transpostos por meio de cores e intensidade para as telas. O objetivo é criar uma linguagem direta com o espectador, em que ele se veja instigado.

Cláudia nasceu em Tapiraí – MG e formou-se em artes plásticas pela Escola Guignard. Entre suas referências estão nomes de peso como Henri Matisse, Willem de Kooning, Hans Hoffman e Helen Frankentaller. Ela afirma que o abstracionismo, especialmente o expressionista, carece de publicização. “O estilo é mais aceito no exterior, creio que por uma questão de amadurecimento, de um contato mais frequente, o que vai despertando a sensibilidade e burilando o olhar. Muitos olham a pintura abstrata  buscando  formas e  explicações. Ainda não aprenderam a sentir os efeitos da arte em seu inconsciente, a entrar em identificação com o artista”, explica.

Sobre o seu processo criativo, a artista aposta na intuição. “Às vezes inicio várias telas ao mesmo tempo, e volto a cada uma delas. Há um primeiro impulso e há também o momento da observação e da reflexão. Algumas saem quase de imediato, como foi o caso de `Breve Recado´, outras vão se metamorfoseando. Existem também as telas que já se cansaram do meu olhar e que, por vezes resolvo me desapegar, e transformá-las por completo, dando-lhes alma nova, com mais soltura e força”, afirma.

Artista multifacetada

Além de artista plástica, Cláudia Coutinho também é escritora e psicóloga. Ela acredita que as várias atividades lhe auxiliaram a encontrar formas de dar vazão aos seus sentimentos. “Minha produção literária e a pintura seguem juntas, no mesmo processo. Vem a ideia, escrevo a primeira palavra ou dou a primeira pincelada na certeza de que as outras virão como o curso de um rio e tudo vai fluindo prazerosamente. Posso dizer, no entanto, que a psicanálise me proporcionou o encontro com meus talentos e a coragem para trilhar em busca de realizações”, conta.

A curadora do Museu Inimá de Paula, Guiomar Lobato, compartilha a ideia de que a pluralidade da artista lhe dá mais força. “Se em suas crônicas prevalece uma visão da infância e sua gente, na arte ligou-se a movimentos internacionais, fazendo parte de grupos de artistas franceses, espanhóis e outros. Sua produção reflete essa convivência ampla. Tem uma pintura forte, bonita e contemporânea”, diz.

Serviço:

“Por Um Amor Maior”

Data: de 18 de novembro a 17 de janeiro

Local: Museu Inimá de Paula – R. da Bahia, 1201 – Centro

Entrada gratuita

Informações:  (31) 3213-4320

Dan Stulbach e Lô Borges no Museu Inimá de Paula

475594-970x600-1

No dia 25 de setembro (sexta-feira), o ator Dan Stulbach, o economista Luiz Gustavo Medina e o escritor José Godoy recebem o cantor e compositor Lô Borges no Museu Inimá de Paula, no centro de Belo Horizonte. Depois de passar por São Paulo, Rio, Salvador, Brasília e Vitória, o programa “Fim de Expediente itinerante” realiza sua última edição na capital mineira, ao vivo e com plateia. A gravação começa às 18h e tem transmissão direta pela Rede CBN. A entrada é gratuita e, para participar, basta retirar o ingresso com uma hora de antecedência na bilheteria do local.

Lírico no Museu

Coral Lírico de Minas Gerais se apresenta no Museu Inimá de Paula

coral-lirico-de-minas-gerais-20140923143305

Sob regência da maestrina Lara Tanaka, o Coral Lírico de Minas Gerais apresenta concerto especial no Museu Inimá de Paula, no dia 29 de setembro, às 19h. Dividida em dois momentos, a apresentação trará obras sacras, acompanhadas por Hélcio Vaz do Val e obras seculares, executadas pelo pianista e arranjador Fred Natalino. Lara Tanaka é a atual regente assistente do CLMG e regente titular do Coral Infantojuvenil Palácio das Artes. A entrada é franca.

O concerto é iniciado com a cantata “Ihr lieben Christen, freut euch nun”, do importante compositor barroco Dietrich Buxtehude e encerra suas atividades relembrando trecho da obra “Freedom”, de Duke Ellington. Escrita originalmente para Big Band, a obra é um hino a liberdade.

Ainda na apresentação, o coral apresenta um trecho de “Kyrie Eleison”, de Louis Vierne, um dos principais compositores de música para órgão do século XX. Em seguida, o CLMG brinda o público com três canções latino-americanas, a melodiosa “Enlos Surcos Del Amor”, de Carlos Guastavino, a milonga campeira “Jacinto Chiclana”, de Jorge Luis Borges, e o tango “Verano Porteño”, de Astor Piazzolla.

Coral Lírico de Minas Gerais

Criado em 1979, o Coral Lírico de Minas Gerais, corpo artístico da Fundação Clóvis Salgado, é um dos raros grupos corais que possui uma programação artística permanente e que interpreta um repertório diversificado, incluindo motetos, óperas, oratórios e concertos sinfônico-corais.

O Grupo se apresenta em cidades do interior de Minas e em capitais brasileiras com o intuito de contribuir para a democratização do acesso de diversos públicos ao canto coral. As apresentações têm entrada gratuita ou preços populares. O Coral já atuou com a Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo e a Orquestra Filarmônica de Minas Gerais.

Dentro da política de difusão do canto lírico promovida pelo Governo de Minas, o Coral Lírico desenvolve diversos projetos que incluem Concertos no Parque, Lírico na Cidade, Concertos Didáticos e participação nas temporadas de óperas realizadas pela Fundação Clóvis Salgado. O objetivo desse trabalho é fazer com que o público possa conhecer e fruir a música coral de qualidade, além de vivenciar o contato com os artistas.

Lara Tanaka

Mineira de Belo Horizonte, Lara Tanaka é formada em piano pelo Conservatório de Música de Minas Gerais e bacharel em Regência pela Escola de Música da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Em 2003, gravou o CD Villa-Lobos e os Brinquedos de Roda, com o Coral Infantojuvenil Palácio das Artes e o Grupo de Percussão da UFMG. A obra foi finalista do Prêmio TIM da Música de 2004, na categoria de melhor CD infantil.

Atua como cravista continuísta em diversos grupos de música antiga e com as orquestras da Musicoop, da UFOP e Sinfônica de Minas Gerais. De 2008 a 2012 atuou como cravista na Oficina de Música de Curitiba. Atualmente é regente assistente do Coral Lírico de Minas Gerais e regente titular do Coral Infantojuvenil Palácio das Artes.

SERVIÇO

Lírico no Museu

Data: 29 de setembro (terça-feira)

Horário: 19h

Duração: 60 minutos

Local: Museu Inimá de Paula

Classificação: Livre

Informações para o público: (31) 3236-7400

Entrada gratuita.

Primeira exposição de Mônica Mendes traz retratos inéditos

Mostra estará em cartaz no Museu Inimá de Paula, a partir do dia 4 de agosto

Monica Mendes

“Sempre gostei de gente. O potencial do ser humano me encanta e me impressiona. Emoções, tristezas, alegrias, superações. Esses sentimentos inerentes aos seres humanos me levaram a querer pintá-los. Minha avó, minha mãe e minha tia pintavam. E eu ali, criança, observava as imagens surgindo no movimento da espátula, como mágica! Não tinha como não querer fazer igual”. É assim que a retratista Monica Mendes define seu primeiro trabalho, “Expressões da minha gente”, que estará em cartaz entre os dias 4 de agosto a 6 de setembro, no Museu Inimá de Paula.

São 87 quadros que revelam expressões particulares de pessoas que fizeram parte da vida da artista. Segundo a curadora Guiomar Lobato, o ofício de Mônica é diferenciado pela sua técnica, os ângulos usados e a expressão corporal que convidam o interlocutor a dialogar com as obras, mesmo não conhecendo os personagens. “A gente parte de conversas de amigas que se abraçam. É a mágica do pincel, dos claros-escuros, do talento sensível de Mônica, que mostra nesta exposição um profundo conhecimento da alma humana e a convicção da capacidade de interação dos homens ainda que desconhecidos. É impossível não se sentir íntimo de alguém retratado nas telas”, diz Guiomar.

Nascida em Belo Horizonte, Mônica reside há 25 anos na Flórida, com passagens por São Francisco e Trujilo. Na bagagem, traz formações distintas como Relações Públicas, Educação Física, e mestrado em artes.

O Museu Inimá de Paula fica aberto às terças, quartas, sextas e sábados, das 10h às 18h30, quinta das 12h às 20h30, e aos domingos das 12h às 18h30. A entrada é gratuita.

SERVIÇO

EXPRESSÕES DA MINHA GENTE, DE MÔNICA MENDES

Data: 4 de agosto a 6 setembro.

Local: Museu Inimá de Paula (Rua da Bahia, 1201 – Centro).
Horários: terça, quarta, sexta e sábado: 10h às 18h30;
Quinta: 12h às 20h30;
Domingo: 12h às 18h30;
Informações: (31) 3213-4320

ENTRADA GRATUITA.

Pejo/Desejo/Pejo, de Alê Brandão, aborda o mundo do consumo em fotografias e instalações

Exposição, que tem entrada gratuita, estará em cartaz no Museu Inimá de Paula

alejordao_2

Pinturas, fotografias, instalações e gravuras se misturam entre a cultura de rua e as artes visuais contemporâneas, no novo trabalho do badalado artista paulista Alê Jordão. Denominada de Pejo/Desejo/Pejo, a exposição estará em cartaz no salão principal do Museu Inimá de Paula, de 17 de julho a 18 de agosto. Com curadoria de Marcelo Vasconcelos e Walton Hoffmann, o artista faz um apanhado de suas recentes mostras bem sucedidas, agregando várias composições inéditas. “A surpresa é um vértice importante nas composições de Alê”, garante Hoffmann.

Na série “Paixão e Compulsão”, Alê Jordão faz um discurso crítico-conceitual sobre o consumismo, expondo em fotografias reproduções em grande escala de tíquetes de compras e notas fiscais, em geral, de transações de altos valores na aquisição de objetos de luxo. A partir de sua própria coleção, com mais de dois mil pares de sneakers, ele criou um “tapetão de tênis”, como define, com mais de 300 modelos expostos.  “Tem pessoas que compram algo caro para se exibir e tem aqueles que escondem o que compram. O que a pessoa está vestindo é o quanto ela vale naquele momento”, explica o artista.

Jordão tem como principal fonte de inspiração a vida cosmopolita. Gula, sexo, jogos, drogas e outros vícios que permeiam a vida moderna também são ratificados na mostra. “Eu faço parte desse consumismo e é ele que me leva à minha arte. Se me mandarem criar em uma fazenda, por exemplo, não vou conseguir. Esse trabalho vem do meu estilo de vida”, conta.

Fragmentos da mostra “Spectrum”, também estarão presentes em Pejo/Desejo/Pejo. O artista se apropriou do carro twingo, do jornalista Ricardo Boechat para criar instalações, também em grandes escalas, de luzes e sombras. Uma das peças icônicas da exposição é o skate feito de metal, com partes do carro, que acompanha o artista em várias exposições. “Uso o universo abstrato, mas o conteúdo é forte. Quero chegar justamente ao lugar onde se falam em sentimentos e sensações”, diz.

O pejo, aquela pequena vergonha que sentimos de algo moralmente errado, chamou a atenção dos curadores da exposição. Marcelo Vasconcelos destaca que o artista está acima da média daqueles formados na nova geração. Segundo Walton Hoffmann, Alê consegue abordar temas emblemáticos, de forma incisiva e suave. “Uma vez, o Iberê Carmargo (pintor brasileiro) me disse que se um artista tem medo, ele não sai do lugar. O Alê tem coragem e uma profunda eficiência na arte, desde a pintura até a instalação. Tudo que ele faz de experimento tem um valor arrojado e muito frescor”, pontua Hoffmann.

SOBRE O ARTISTA

Alê Jordão nasceu e vive em São Paulo. Estudou na FAAP na segunda metade dos anos 1990, com Sandra Cinto, Dora Longo Bahia, Paulo Pasta, Felipe Chaimovich, Edu Brandão, Carmela Gross, Regina Silveira e Nelson Leirner. Complementou seus estudos na Domus, em Milão, escola originária da experiência da arquitetura pós-moderna italiana dos anos 1970 e 1980. Participou por sete anos consecutivos da Casa Cor de São Paulo e expôs em galerias em Bruxelas, Paris, Milão, Nova York, Miami, Los Angeles, Ibiza, além da Casa Cor Europeia, em Estocolmo, e na Bienal de Roma, no qual foi premiado, em 2014, com o trabalho “No chair”.

SERVIÇO

PEJO/DESEJO/PEJO, DE ALÊ JORDÃO

Data: 17 de julho a 18 de agosto.

Local: Museu Inimá de Paula (Rua da Bahia, 1201 – Centro).
Horários: terça, quarta, sexta e sábado: 10h às 18h30;
Quinta: 12h às 20h30;
Domingo: 12h às 18h30;
Informações: (31) 3213-4320

ENTRADA GRATUITA.

Museu Inimá de Paula na ArtBH

Museu Inim‡ de Paula. Exposi‹o æxodos de Sebasti‹o Salgado. Fotos de Gualter Naves

O Museu Inimá de Paula marca presença na primeira edição da feira de arte moderna e contemporânea, a ArtBH. O evento, que acontece entre os dias 23 a 26 de maio, no Minascentro, irá reunir cerca de 30 das melhores galerias do País.

Com uma média de quatro mil visitantes por mês, o Museu é conhecido internacionalmente por ser precursor do trabalho do consagrado artista mineiro. Atualmente, conta com 200 obras de Inimá expostas e em reserva técnica, além de mais de 500 livros adquiridos pelo artista ao logo de sua vida, e 300 objetos de uso pessoal, como pincéis, espátulas, câmeras, giz, dentre outros.